segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Psicologia da Casa



Um Passeio pela Casa
A forma como organizamos, decoramos, cuidamos da nossa casa pode revelar sobre nossos sentimentos, pensamentos e atuação no mundo. Projetamos neste local que ancora nossa memória e nossa história de vida a percepção que temos a nosso próprio respeito e sobre como interpretamos o mundo.

A atenção dá origem a um desejo de harmonia. A atenção, sozinha, inspira tudo o que precisa ser feito. Ao olhar com atenção para os cantos desarrumados, para armários entulhados, livros, revistas e jornais empilhados, infiltrações, rachaduras, vasos vazios, jardim abandonado, pintura para ser refeita, pó sobre os incontáveis enfeites da estante que já deixaram de ser vistos, podemos clarificar as projeções inconscientes para impulsionar o processo de individuação.

O conceito de individuação foi criado por Jung para descrever um processo de ampliação da consciência da personalidade individual para uma totalidade do Si-mesmo. A partir dessa ampliação da consciência a pessoa identifica-se menos com condutas, crenças, valores sociais, está ancorada por um mecanismo de auto-realização e tem assimilado as quatro funções (sensação, pensamento, intuição e sentimento), definidas conceitualmente em sua teoria dos Tipos Psicológicos.[1]

O convite é para olhar atentamente para dentro, de si e da casa, interpretar os aspectos de nossa vida ali refletidos, para decifrar e mudar, criar novos hábitos sem ilusões de impossibilidades. Ter coragem para assumir nossos desejos e nos responsabilizarmos por eles! E então maximizar um comprometimento efetivo com as mudanças que nos desafiam!
Vamos prosseguir este passeio pela casa construindo uma analogia da Casa com a psique, ou seja, com as várias instâncias da nossa mente consciente e inconsciente.

A Fachada da casa é interpretada como a persona, a máscara utilizada para convivência social. O Telhado simboliza o local que abriga a consciência. Numa casa com níveis, no Sotão encontram-se analogamente memórias, desejos, pensamentos reprimidos, pode-se associar aqui a conexão com o Self. O Porão, respectivamente, está relacionado ao inconsciente, aos instintos, à sombra, também com a mente inconsciente e a intuição. O chão ou piso da casa representa a sustentação, a base, o limite entre a consciência e o inconsciente.[3]

A Porta de entrada principal da casa simboliza a transição entre dois cenários, externo e interno, consciente e inconsciente, sociabilidade e intimidade, exposição e proteção. Nesta simbologia acrescentamos o convite à passagem. Toda porta se abre para um caminho. Possuindo um valor psicológico e dinâmico, faz um convite para passar a um estado diferenciado. Simbolicamente, essa passagem pode ir do profano ao sagrado, assim como os portais dos templos e das catedrais, da luz para a sombra, pode abrir o acesso a um outro nível de consciência.

Corredores podem ser associados a veias, quando ligam os diversos cômodos estão permitindo uma conexão interna no sentido horizontal. Compridos ou curto, estreitos ou amplos, claros ou escuros, liberados ou entulhados, decorados ou abandonados. Como estão os trajetos da vida?

Escadas oportunizam acessos a níveis diferentes, entre um andar e outro existe uma escada que precisa ser trilhada, elas interligam energeticamente a vida no sentido vertical. Posso atentar para esta área da casa para ancorar um movimento de descida às sombras (porão) ou de subida aos insights (sótão).

Associada à alquimia da transformação dos alimentos, a Cozinha é o local onde também se processam as transformações e o resultado desejado está relacionado com nutrição, amparo, afeto. Pode aqui ser o primeiro local onde a própria psique se alquimiza mediante fogo da transformação, matendo a essência mas alterando a forma. Talvez a Cozinha esteja com os armários entulhados, uma que outra portinha desalinhada, gaveta meio que emperrada. Será que também o nosso peso está excessivo, estamos retendo emoções? Ou o coração é percebido apertado, a melancolia e a solidão precisam ser interpretados?

Na Sala de estar é onde acontecem as reuniões sociais, o relacionar-se com amigos e conhecidos. Adentrar atentamente neste espaço pode revelar a imagem que exteriorizamos, as crenças básicas sobre quem somos e sobre o que é esperado de nosso posicionar-se na vida. Como está este local? A espuma do sofá já era ou escapou uma mola? A Sala está sempre bagunçada, objetos fora do lugar? O abajur com a lâmpada queimada? E os meus amigos, as minhas parcerias, há quanto tempo não sei muito bem deles? E os meus objetivos, estou conseguindo concretizar? Encontro na Sala uma perspectiva sobre meus relacionamentos sociais, e também meu posicionamento de ordem e questões práticas.

O Dormitório ancora aspectos do próprio Self que residem na intimidade e na entrega emocional, na vulnerabilidade de uma vinculação de alma com o outro. Perguntas relacionadas com romance e vida sexual surgem neste cômodo. Como será que anda a vinculação efetiva com o meu desejo de encontrar um parceiro?

Além de urgências instintuais, o Banheiro também está relacionado com a Espiritualidade. Ali somos quem somos, sem máscaras ou representações. Esse espaço também pode significar purificação e auto renovação. Neste espaço paradoxal da casa podemos descobrir sobre a transcendência e nossa conexão com o Divino, encontrar nossa espiritualidade no único local da casa onde é permitido trancar a porta sem ser incomodado! Louças e azulejos amarelados, rejuntes manchados, torneira pingando, toalhas puídas, espelho oxidado? Quase sem espaço para relaxar e me entregar? Ok, normalmente podemos conviver mais um pouco com esse descaso. Usualmente deixamos isso por último!

Ao arrumar a casa deixamos ali um pouco da própria energia, que vai impregnando energeticamente esse local e criando um cenário único, sintonizado com nosso saber de Si, mesmo que inconsciente. É a combinação de atenção, dedicação, organização e vinculação que pode criar a sinergia para a transcendência.

É no um refúgio da nossa residência que também temos permissão para uma plena e livre expressão pessoal. A imagem arquetipal de refúgio remonta à antiguidade quando os ancestrais utilizavam as cavernas para proteção às ameaças externas, tanto de intempéries naturais quando do ataque de predadores. Esse sentimento primitivo permanece conosco e aciona sensações de abrigo, conforto, amparo e segurança quando retornamos à casa, atributos esses essenciais para ancorar nosso bem estar físico e psicológico.

Acionamos o campo das sensações em nossa casa quando estamos entregues e integrados ao ambiente reconhecidamente familiar, quando significamos um pertencimento pessoal a este local.

Aromas, sons, imagens, decoração, estética agradável aos sentidos, criam condições para que a atenção se volte para nós mesmos. Na simplicidade, sem excessos de móveis e objetos, e com o ambiente organizado, conseguimos racionalmente prestar atenção aos nossos sentimentos, pensamentos, emoções.

Vestir a casa com carinho, com delicadeza e conceder-lhe a real importância de lar, ninho, colo é decisão de primeira ordem. Arrumar a casa revela outras perspectivas, acelera mudanças, concretiza desejos, traz novas definições!

Lucimara Stráda - nov/12 - www.harmonizare.com.br          


[1] GUIMARÃES, C. A. F. Carl Gustav Jung e os fenômenos psíquicos. São Paulo: Madras, 2004.
[2] BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
[3] CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: Editora José Olímpio, 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário