sábado, 21 de abril de 2018

O Retorno de Saturno e suas Vítimas


SATURNO é o último planeta visível a olho nu a partir da Terra e na Astrologia está associado a inibições, medos, insegurança, crise e sofrimento. Saturno também mostra nossa missão na vida e nos ensina a importância da consciência, responsabilidade, paciência e perseverança. Por ser um planeta que dá forma e estabilidade, sua influência nos ajuda a estruturar internamente, a concretizar metas e a trazer para a consciência todos os medos que debilitam a personalidade.

A posição de Saturno no mapa pessoal indica as áreas nas quais nos sentimos frágeis, limitados, incompletos e onde a vida vai nos pressionar ao crescimento, à estruturação e ao ancoramento da alma na terra através da expressão de uma personalidade integrada.

Todas as pessoas vivenciam aproximadamente a cada sete anos as crises saturninas, períodos cíclicos que originam profundas transformações. A maior de todas as crises acontece entre os 27 e 30 anos, é a primeira morte da personalidade, quando o planeta completa sua passagem por todos os signos do Zodíaco e volta a seu ponto original no mapa de nascimento.

Nesses momentos de confronto de Saturno, a personalidade se sente pressionada a encarar o que foi negligenciado.  Situações marcantes sempre acontecem, algumas vezes através de um casamento ou o nascimento do primeiro filho, uma mudança de cidade ou de emprego, um acidente ou um sério contratempo que pressiona a novos posicionamentos. Algumas pessoas percebem a vida se desestruturar, perdas sérias podem acontecer, instabilidades emocionais intensas que não permitem à vida continuar como era.

A vida muda quando enfrentamos conscientemente essa grande fragilidade pessoal, porque o tempo chega e cobra consciência para tudo o que viemos escondendo por ser demasiado dolorido encarar. E a vida também muda quando evitamos encarar o que nos assusta, mas daí a mudança pode vir de forma trágica e bastante dolorosa.

O retorno de Saturno tem essa habilidade de provocar mudanças intensas que podem ser sentidas como o ‘fim do mundo’, como um abismo escuro sem saída, com total falta de energia para enfrentar os problemas, um momento de grande confusão pessoal. Personalidades criativas, sensíveis, celebridades, são pressionadas pela fama e pelas expectativas do mundo. Poder, dinheiro, sucesso em períodos de pressão interna, fazem com medo, inseguranças e instabilidades emocionais busquem amparo em álcool, drogas ou remédios.



O número de famosos que morreram - pelo uso excessivo de bebidas alcoólicas ou drogas, ou em meios violentos como homicídio ou suicídio – entre 27 e 30 anos é muito grande. A história registra mortes de vários deles neste período conhecido como ‘retorno de Saturno’:

Jimi Hendrix (27/11/1942 — 18/09/1970), um dos grandes guitarristas do cenário musical, com 28 anos, foi encontrado inconsciente no apartamento de sua namorada. De acordo com os laudos do legista, ele morreu asfixiado pelo próprio vômito, após uma overdose de remédios calmantes e sedativos.

Janis Joplin (19/01/1943 — 04/10/1970), a primeira mulher a ser reconhecida como uma rockstar e um dos ícones da década de 60. Meses antes de completar 28 anos, foi encontrada morta em seu quarto de hotel após uma overdose de heroína.

Jim Morrison (08/12/1943 — 03/07/1971), vocalista da banda The Doors, símbolo do rock psicodélico, aos 27 anos foi encontrado morto no seu apartamento. Como os investigadores não encontraram nenhuma evidência de crime, nenhuma autópsia foi realizada. Isso levou a rumores sobre uma overdose de drogas, mas nada foi confirmado.

Kurt Cobain (20/02/1967 — 05/04/1994), músico, no final dos anos oitenta, fundou Nirvana, banda que viria a resumir o som grunge dos anos 1990. Durante os últimos anos de sua vida, Cobain lutou contra o vício em heroína, doenças, depressão, fama e imagem pública, bem como as pressões ao longo da vida profissional e pessoal. Cometeu suicídio menos de 2 meses após completar aos 27 anos.

Amy Winehouse (14/09/1983 — 23/07/2011), cantora e compositora britânica conhecida por seu poderoso e profundo contralto vocal e por sua mistura eclética de gêneros musicais, foi encontrada morta por seu guarda-costas, 2 meses antes de completar 28 anos. A autópsia atestou que ela havia bebido, pelo menos, três garrafas de vodca, ao mesmo tempo em que sofria um distúrbio alimentar.

AVICII (08/09/1989 – 20/04/2018), DJ, remexer e produtor musical de EDM sueco. Ele lançou seu primeiro álbum de estúdio, True, em 2013. O álbum obteve uma recepção positiva pela crítica especializada e chegou ao top dez em mais de quinze países. Bergling escolheu o nome Avicii por significar "o nível mais baixo do inferno budista" (Avīci). Conhecido por hits como Waiting For Love, Wake Me Up e Hey Brother, estava afastado dos palcos desde 2016 por problemas de saúde. Ele sofria de pancreatite aguda, causada pelo excesso de álcool e teve a vesícula biliar e o apêndice removidos em 2014. Ele foi encontrado morto em 20 de abril de 2018 em Omã, aos 28 anos. 


Anton Yelchin (11/03/1989 — 19/06/2016), ator dos filmes 'Star Trek' foi encontrado morto, 3 meses após completar 27 anos, preso entre o veículo e um muro de sua casa. Segundo os investigadores, o carro foi estava em ponto morto e desceu a rua até esmagar Anton.

Jonathan Gregory Brandis (13/04/1976 — 12/11/2003), ator, diretor e roteirista americano cometeu suicídio por enforcamento, 5 meses antes de completar 28 anos. Ele não deixou uma nota de suicídio, mas os seus amigos disseram que ele era solitário e estava se sentindo deprimido em relação à sua carreira. 

Brian Jones (28/02/1942 — 03/07/1969), guitarrista britânico, membro fundador da banda Rolling Stones, foi encontrado afogado na piscina de sua casa poucos meses após completar 27 anos. De acordo com a autópsia, anos de abuso de álcool e drogas aumentaram severamente o tamanho de seu fígado e coração, causando um colapso.

Robert Johnson (08/05/1911 — 16/08/1938), considerado um mestre do blues e uma figura importante no desenvolvimento da música moderna. Uma das mais famosas histórias sobre Robert Johnson é que ele fez um pacto com o diabo trocando sua alma por seus talentos musicais excepcionais. Morreu aos 27 anos, depois de ter ficado doente, de acordo com um boato ele tomou uísque envenenado pelo marido de uma mulher com quem tinha sido flertando.

Pete Ham (27 de abril de 1947 - 24 de abril de 1975), guitarrista e um dos membros fundadores da banda de power pop britânica, Badfinger. Pete começou a passar por uma fase difícil quando a banda atingiu seu auge. Em 1975, ele foi diagnosticado com depressão e passou a apresentar sintomas de doença mental, como a queima de seus braços e mãos com cigarros. Em 24 de abril, 3 dias antes de completar 28 anos, ele se enforcou na garagem de sua casa.

Chris Bell (12 de janeiro de 1951 – 27 de dezembro de 1978), vocalista e guitarrista da Big Star, uma das mais influentes bandas de power pop de todos os tempos, que influenciou grupos como REM e The Replacements, Chris morreu em um acidente de carro, poucos dias antes de completar 28 anos. Ele perdeu o controle de seu veículo e colidiu, fatalmente, com um poste.

Mia Zapata (25 de agosto de 1965 – 07 de julho de 1993), vocalista de uma das bandas mais influentes da cena musical punk de Seattle na década de 90, The Gits. No dia 7 de julho de 1993, poucos dias antes de completar 28 anos, Mia foi assaltada, violentada sexualmente e estrangulada até a morte.

Dave Alexander (03 de junho de 1947 – 10 de fevereiro de 1975), baixista de uma das bandas responsáveis por abrir caminho para o punk e o hard rock, The Stooges, Dave foi expulso do grupo pelas brigas que causava nos bastidores e no palco. Cinco anos depois, em fevereiro de 1975, 4 meses antes de completar 28 anos, morreu por complicações de seu consumo excessivo de álcool,

Jacob Miller (4 de maio de 1952 - 23 de março de 1980), as coisas estavam dando muito certo para o cantor, líder da banda de reggae Inner Circle. Sua carreira decolou e ele estava se preparando para uma turnê com Bob Marley. Tragicamente, Jacob sofreu um acidente de carro e perdeu a vida, em março de 1980, menos de 2 meses antes de completar 28 anos.

Heath Ledger (04 de abril de 1979 – 22 de janeiro de 2008), ator australiano. Sua primeira participação foi no filme americano ’10 Coisas que Eu Odeio em Você’, em 1998. Nos anos seguintes atuou em dezenove filmes, incluindo Brokeback Montain e The Dark Knight. Morreu meses antes de completar 29 anos, devido a uma intoxicação acidental por remédios prescritos.

Brandon Lee (01 de fevereiro de 1965 – 31 de março de 1993), ator norte-americano de ascendência chinesa, filho do também ator Bruce Lee. Morreu em decorrência de um tiro acidental durante as filmagens de ‘O Corvo’.  É de procedimento comum em filmagens envolvendo tiros a utilização de armas de verdade, porém, essas são equipadas com festim, que são cartuchos sem projétil contendo duas vezes mais pólvora que uma munição normal para causar explosão e barulho. Em uma cena anterior, a arma que foi utilizada em Lee precisou ser carregada com munição de verdade para que a cena de tiro tivesse mais realidade, porém, um dos projéteis ficou preso no cano do revólver e aparentemente não foi percebido, mesmo após a limpeza da arma e o novo carregamento com balas de festim. Brandon Lee estava com 28 anos.

Lucimara Stráda
www.psicomatriz.com.br